Yellowstone National Park

devaneio-ynp-01

Os Estados Unidos têm 58 parques nacionais e um total de 25.800 áreas protegidas cobrindo uma área de 1.294.476 km2, ou 14% do território do país. Yellowstone é um dos mais bem sucedidos exemplos de turismo de qualidade em áreas de conservação

Por Marcelo Freitas

Alguns parques se destacam por formações geológicas, outros pela vegetação ou pelos animais. Alguns, como o Grand Teton National Park e o Yellowstone National Park, têm um equilíbrio entre a beleza das paisagens e a preservação da flora e da fauna. Passamos alguns dias nesses parques, observando a vida animal e nos encantando com as paisagens de tirar o fôlego.

Yellowstone é muito extenso e é possível acessá-lo por cidades e estados diferentes. Companhias aéreas mantêm voos regulares para Cody e Jackson, em Wyoming, Bozeman e Billings, em Montana, e Idaho Falls, em Idaho. Optamos por Jackson, onde pudemos também visitar o Grand Teton National Park. Jackson fica num vale cercado de montanhas chamado Jackson Hole.

devaneio-ynp-02

Com mais um casal de amigos, ficamos no hotel Amangani, da cadeia Aman, que além de excelente é muito bonito, com arquitetura em harmonia com a região e a paisagem. Jackson é mais conhecida pelos brasileiros por conta da estação de esqui, mas optamos pela visita em setembro, quando o clima é temperado e muito agradável, neve apenas nos picos mais altos.

A grande atração da região é o Grand Teton National Park, que tem aproximadamente 125 mil hectares e inclui os picos mais altos da cadeia de montanhas Teton Range. O nome (Grand Teton) vem do francês e faz referência a dois picos que se assemelham ao formato de dois seios. Esse parque fica a apenas 16 km do Yellowstone.

No primeiro dia, saímos para uma caminhada ao redor do lago Phelps, de águas cristalinas, que fica na Laurence S. Rockefeller Preserve, uma região onde é comum o encontro com ursos. Por uma questão de segurança, o pessoal do hotel orientou a levar o “bear spray” (gás de pimenta), que é a melhor forma de se proteger dos ursos em caso de ataque. Aliás, o spray é mais eficaz do que qualquer arma de fogo, pois, assim como nos humanos, os efeitos nos ursos são cegueira temporária, dificuldade de respiração, irritação nas mucosas. Com uma arma de fogo você pode até acertar o urso, mas dificilmente isso o deterá. Ele talvez morra após algum tempo, e também após matar o atirador.

Num determinado ponto da caminhada ouvimos barulho de animal se movendo entre as plantas. Deu aquele frio na espinha e já imaginamos que seria um urso, bem no caminho. Ficamos com o spray em mãos. Mas era apenas um grande alce bem próximo. Embora os alces possam atacar, esse estava entretido com sua alimentação. Então lentamente nos afastamos sem qualquer problema. O trajeto levou ao sopé das montanhas e lá encontramos a van do hotel para nos levar de volta.

devaneio-ynp-03

Para tirar melhor proveito da visita ao Yellowstone, decidimos participar da Wolf and Bear Expedition, que é oferecida pela Teton Science School. Assim, não haveria a preocupação de alugar carro, escolher trajetos, alimentação no campo e procurar os animais, pois os guias, que são biólogos, cuidariam de tudo, além de dar informações sobre o local e os animais.

O Yellowstone National Park foi o primeiro parque nacional do mundo, sendo inaugurado em 1872, e hoje tem uma área de 898.311 hectares. A maior parte do parque fica em Wyoming, mas alcança áreas de Montana e Idaho. É composto por lagos, rios, cânions, montanhas, gêiseres e vales. Sob o parque está o Yellowstone Caldera, o maior supervulcão do continente. Esse vulcão é considerado ativo e alimenta os elementos geotérmicos da região. Só para dar uma ideia da dimensão, ele agrega a metade dos elementos geotérmicos (gêiseres, fontes de águas quentes etc.) do mundo.

devaneio-ynp-08

Toda a região da bacia do rio Missouri, que inclui o rio Yellowstone, só começou a ser desbravada por americanos de origem europeia a partir dos anos de 1804 a 1806, quando a expedição de Lewis e Clark cruzou o território americano, chegando ao oceano Pacífico por terra. Em sua primeira parte, a expedição partiu de Saint Louis e percorreu o rio Missouri até as Montanhas Rochosas, passando um pouco ao norte da região do Yellowstone e também pela região onde em 1823 ocorreram os fatos narrados no filme O regresso (The Revenant). O Yellowstone deixou bastante preservada uma região muito similar à vista pelos expedicionários Lewis e Clark.

devaneio-ynp-04

Partimos. O trajeto de carro para o Yellowstone é bem bonito e avistamos mais animais: o uapiti, o alce, a morsa, a águia etc. Em vans bem mantidas e confortáveis, seguimos por dentro do parque passando pelo Yellowstone Lake e por alguns elementos geotérmicos. Grandes atrações da região incluem o gêiser “Old Faithful”, o “Grand Canyon of the Yellowstone” e a “Mammoth Hot Springs”, um grande complexo de nascentes de água quente que ao longo de milhares de anos depositou algo como duas toneladas diárias de carbonato de cálcio diluídas nas águas, através das fendas do travertino e do limestone, rochas sedimentares. É importante ressaltar que visitantes devem se manter exclusivamente nos caminhos designados a eles. Não observar esse preceito pode ser fatal, pois as águas podem chegar a 90° C. O último acidente relatado foi o de Colin Scott, que, ao ser desviar da área de segurança, caiu e desapareceu em junho de 2016. Contudo, com o devido cuidado e respeito, a visita é segura. Continuamos pelo vale que acompanha o “Soda Butte Creek”, onde ficamos mais tempo observando os animais: além dos já mencionados acima, o bisão americano e o antilocapra, muito parecido com o antílope. A quantidade de animais é grande e a distância que ficamos de vários deles é relativamente pequena, embora seja importante manter o cuidado, principalmente com relação ao bisão, urso, alce e uapiti, que podem efetivamente atacar. Os diários da expedição de Lewis e Clark registraram a descoberta na região de várias espécies novas para a ciência, incluindo o antilocapra e o urso pardo, e também relatam manadas de aproximadamente 10 mil cabeças de bisões. Como curiosidade, o parque e seus ursos inspiraram a dupla Hanna-Barbera a criar os simpáticos ursos Zé Colmeia e Catatau.

devaneio-ynp-05

Dormimos duas noites em Cooke City, um vilarejo fundado em 1882 em Montana, com 140 habitantes (censo de 2000) e um ar de velho oeste dos dias modernos. O hotel é relativamente simples, mas confortável para o pernoite. De fronte ao hotel há um saloon onde jantamos com pai e filho americanos, que lá conhecemos. Durante o jantar soubemos que o pai, Hollis Boehme, já nos seus 80 anos de idade, participou do desenvolvimento do GPS, hoje tão largamente utilizado no mundo todo. E o filho, Brandon Boehme, posteriormente me enviou por correio um livro maravilhoso sobre a expedição de Lewis e Clark, cujo título é Undaunted Courage, de Stephen Ambrose

Como os lobos criam alguns problemas para os moradores da região, principalmente por serem predadores de animais criados pelos moradores locais, fomos orientados a evitar discussões sobre o tema. Afinal, enquanto estávamos lá justamente para ver lobos, muitos moradores os preferem mortos. Nessas condições, um debate defendendo a preservação provavelmente seria áspero e não levaria a lugar algum.

devaneio-ynp-06

Os nossos guias, além de muito competentes, tinham um senso de humor bastante apurado. No meio da rua, entre o hotel e o saloon, encontrei o guia que carregava dois secadores de cabelo que haviam sido solicitados por duas participantes da expedição. Ele me olhou e sacou suas armas, apontando para mim os secadores, como se fosse um duelo de filme. Como eu não estava armado com secadores, apontei minha câmera e atirei…

No dia seguinte, continuamos em busca dos lobos e ursos e finalmente vimos dois lobos a grande distância. Só conseguimos vê-los através de lunetas e não pudemos fazer boas fotos. Que pena. Retornamos então a Jackson Hole por uma estrada que corre do outro lado das montanhas do Teton Range, no estado de Idaho.

devaneio-ynp-07

Novamente instalado no luxuoso Amangani, comecei a pensar na próxima viagem. Os Estados Unidos têm alguns dos mais belos parques nacionais do mundo, ou seja, há ainda muito para ver. Quem sabe no ano que vem.

https://www.aman.com/resorts/amangani
https://www.nps.gov/yell/index.htm
https://www.nps.gov/grte/index.htm
http://www.tetonscience.org/wildlife-expeditions/home/